Fique por dentro

O vírus ebola apareceu de novo

Fique por dentro! | 15/05/2018 16h 33min

O vírus ebola apareceu de novo, desta vez na República Democrática do Congo. Ainda que seja impossível prever exatamente onde e quando ocorrerá o próximo surto, sabemos atualmente muito mais sobre como prevenir uma crise.

As notícias sobre um novo surto na cidade de Bikoro, no noroeste da República Democrática do Congo, traz à mente o horror da epidemia que custou 11 mil vidas e afetou 22 mil pessoas na África Ocidental entre 2014 e 2016. Foi um pesadelo que ninguém quer reviver.

Desde 4 de abril, houve mais de 30 possíveis casos registrados na República Democrática do Congo, com 18 mortes, ainda que só dois incidentes tenham sido confirmados como ebola.

Então, por que esse vírus continua voltando a atacar e o que está sendo feito para prevenir que se repita a tragédia de alguns anos atrás?

Fora de controle

O ebola pode se espalhar rapidamente, pelo mero contato com pequenas quantidades de fluido corporal de uma pessoa infectada. Seus sintomas iniciais semelhantes ao da gripe, como febre, fraqueza e dores musculares, além de dores de cabeça e garganta, nem sempre são óbvios.

Seu surgimento em Bikoro, cujo mercado atrai gente de cidades e povoados na região, e é ligada a outras partes do país por grandes rios, além de ficar próxima da fronteira, é motivo de preocupação. É uma área de grande movimentação de pessoas e comércio, um lugar ideal para que a doença se espalhe.

A epidemia de 2014-2016 começou em um pequeno vilarejo na fronteira da Guiné. Sua primeira vítima foi um menino de 2 anos que morreu em dezembro em 2013. A doença se espalhou rapidamente pelo país e os vizinhos Serra Leoa e Libéria, saindo do controle ao chegar aos centros urbanos.

A República Democrática do Congo fica a milhares de quilômetros dos países da África Ocidental devastados por aquela epidemia. Mas seu reaparecimento em um local tão distante não é uma surpresa por si só.

O vírus do ebola esteve por trás de dois surtos simultâneos em 1976 - 151 pessoas morreram na região de Nzara, no Sudão do Sul, e 280 na região de Yambuku, na República Democrática do Congo, próximo do rio Ebola, do qual o vírus pegou seu nome.

O surto mais recente é o nono já ocorrido na República Democrática do Congo, onde foram registrados os três surtos que ocorreram desde a crise de 2014-2016.

No total, já foram registrados 24 surtos - fora a epidemia de 2014-2016 - na África Central e Ocidental, além de Uganda e Sudão. O número de mortes variou entre 1 e 280.

Morcegos que se alimentam de frutas estão entre os principais hospedeiros do vírus, mas ele também chega a populações humanas pelo contato com sangue, órgãos e outros fluidos corporais de animais infectados, como gorilas, chimpanzés, antílopes e porcos-espinhos.

A doença é considerada endêmica desta região do planeta, e não é possível erradicar todos os animais que podem ser hospedeiros do ebola. Enquanto seres humanos puderem entrar em contato com esses animais em seus habitats, sempre haverá a possibilidade de o ebola retornar.

Em busca do 'paciente zero'

Equipes de emergência e cientistas da República Democrática do Congo, da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de agências de ajuda humanitária estão agora na área do surto atual. Estabelecer a cepa do vírus em ação e rastrear todas as possíveis transmissões ocorridas é sua prioridade, além de identificar o "paciente zero" o mais rápido possível.

Pacientes suspeitos e as pessoas com quem eles tiveram contato receberão os cuidados necessários. Procedimentos de higiene rigorosos serão primordiais, inclusive o uso de proteção no rosto, roupas e luvas especiais para bloquear o contato com fluidos corporais e com outros materiais infectados.

A comunicação com todos aqueles que estiverem sob risco de contaminação será vital, e as equipes de saúde em ação serão essenciais para garantir que todos vivendo em determinada localidade recebam as informações necessárias. Amostras de sangue dos pacientes do surto atual foram enviadas ao laboratório nacional do país em Kinshasa para exames.

 

 

Fonte:   Globo.com